segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Carta

Doutora:

Em 1968 Eu tinha apenas nove anos, só depois de ouvi-la, e ficar desnorteada por não saber o que p’ra Você é História, e p’ra mim nem chegou a Conhecimento Geral, é que fiz as contas. É que na Verdade, minha realidade não influi na situação, a situação muda a minha realidade, Eu vou sendo levada. Por isso tudo aquilo, ou tudo isto, ou a situação de País, do País, é aprendido por Você, e, sinceramente, mim afeta, mas, só mim diz respeito o que pode doer: eminência de revolução, por exemplo, passeata, também, greve, p’ra mim é “tudo coisa de “estranho”.

A qualidade de vida, devida, só é constituída pela evolução da Razão, a verdadeira igualdade, não é adequação à melhor condução, que se acredita ser do que apresenta melhor condição, nem tão pouco a sujeição.

Hoje, sabe-se que a condução do nativo é melhor que a de um chefe de estado maior estrangeiro/estranho. Todos têm capacidade de assistir e prestar assistência, mas, é o Juízo de Valor do de origem que fará a absorção, e acato, ou, a rejeição, que é espontânea, e abstração, devidas, pois, é a confluência da Razão de todos, que realiza tudo.

A condução da Razão, nos termos que foi alcançado pela resistência dos anos da repressão/ditadura, e, busca de evolução pela assunção de valores existentes nos Países que serviam de modelo, busca melhor condição de vida para o pobre, mas, em Verdade, temos a acomodação/adequação descoberta naqueles Países. Pela absorção o País fica devassado. Não se tem consciência de tanto, é preciso “salvar a própria pele”, e, manter o nível, mantendo a Divisa, mas, hoje, esse aspecto fica a descoberto, sem adotar o “cinismo”, ao qual não somos afeito, no máximo a “cara lisa”, temos que reconhecer o quanto somos demagógicos, tanto quanto a elite governista que condenamos. Somos eternos beija-flor, fazemos nossa parte, esta é a condição humana, mas, temos que reconhecer tanto, e avisar que: tudo que fazemos é pouco; e que por isso não somos absorvidos por todos, mesmo chegando ao grau de cientista, mestre, doutor, mahatma.

A propósito, saber sua História emocionou a turma. A condição de exilada/o é ato heróico. A meu ver, é tida, por se ter a Razão pessoal conservadora. Os desaparecidos são vitimas da falta de fundamento, em algum momento perderam a lógica sentimental.

Em qualquer tempo, realizar a “linha Alba” que delimita fronteiras é sempre temerário, e muito mais quando combate-se a estratificação.

Outro assunto é Paulo Freire, desde o seu método.

O uso das palavras geradoras estabelece a situação instaurada, desde a confluência das tendências, que resultam da influência externa, ou, da pressão da culturação. Manipulação subliminar existe, decorre da intenção da tendência secular de tornar-se dono do mundo, apesar, deste pensamento poder ser dito sintoma de desvio de comportamento, é adotado pelas melhores castas!

Os múltiploscontaminantes são os mesmos que detonaram duas guerras mundiais, o holocausto; promovem a atitude revolucionária, e genocídios, e impede a evolução, que só decorre com a expressão dos sentimentos, que no contexto aventado, confundem-se com as emoções suscitadas artificialmente.

Daí, no método, falta o nexo da lógica sentimental. Serve como estímulo, mas, não acarreta a reparação do dano que ocasionou a afasia (- eles não conseguem se expressar), que já é uma defesa contra a realidade imposta pelo modismo, ou, culturação, que sempre é oferecida aos menos favorecidos, como meio de desenvolvimento.

Por isso persisti-se com o arranjo tradicional das salas de aula, de reunião, até de trabalho em grupo, quando já se sabe que em circulo a dinâmica acontece. Mas, o que é dinamizado?

Não adianta instaurar a situação “ideal”, pois o ideal é realizar o que lhes (os menos abastados) é negado.

O método foi uma facilitação, e continua como tanto, mas, a satisfação pela Curaçao da afasia, é ter para si o que o melhor teve, e o melhor é o Professor. O Professor é conservador, estudou em escola tradicional, portanto... É o arranjo tradicional das cadeiras, o ensino tradicional que se quer e deseja. “Gosto e vontade é o que rega o peito”!

Durante a explanação, depois de ouvir sua História, uma aluna disse: - quando crescer quero ser igual a ela!

Medite sobre: Quem é Você? Ou melhor: Como Você se fez? Não vale o que Você fez para continuar sendo!!

Desde que “perdi” o contacto com o puro, e simples mundo onde fui criada, minhas idéias “florescem”, e multiplica-se qualquer idéia que capto. Aprender fica mais fácil depois dos trinta, mas antes dos treze, é quase impossível, e acredito que tenho algum retardo. Daí não ter conseguido acompanhar a formação que comecei com Você, entre outros que não quero referir.

Um amplexo.

PS: Lí e reli o que escrevi, achei que falta alguma coisa, mas, acho que é por ser assunto para “uma vida toda”.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Um conto durante uma Primavera, na verdade, um relato noticioso. Parte 1

Um conto durante uma primavera, na verdade, um relato noticioso. Parte 1.

Publicado por: marialbo em: 16/04/2010
Era uma vez… hum pato, hum macaco, dois homens que estavam sentados, e muitos outros animais que Deus dispôs ao azar, para saber o que os demais animais queriam aprontar para Ele.
O Papa, a psicótica, a nefasta, "o espírito de porco", e a que queriam…(!) mas, não era, com o irmão, a irmã, a irmã, a irmã, a irmã, o Pai e a Mãe, o sobrinho, a sobrinha, o vizinho da direita, os vizinhos do norte, e o anjo de luz do noroeste fazendo cumprir a estória do: faz p’ra valer que ele, ou o outro, sabem o que é. Foi fazer um "fechamento" em uma brincadeira russa iniciada por um, contada por todo mundo.
O pato dispôs a pata e fez um ovinho; o macaco chingou a macaca e "quebrou o galho" com a sorte da parceira; o marreco reclamou de tudo e perdeu o bedelho.Os dois homens ficaram de pé e os outros animais movimentaram-se descobrindo o que Deus queria e arrefecendo a angústia do Cisma, devido a perspicácia do Papa, a perseverança da psicótica e a dispersão da nefasta, com o aceio do "espírito de porco" e a atitude do irmão, a saúde da irmã, a sorte da irmã, a paz da anima da irmã que queria e era ao contrário do que precisavam, a irmã que teve hum menino e o espírito de luz que teve uma filhota de 28 anos que fez: o vizinho da direita de guia paranormal, os vizinhos do norte de "gente de bem" e o anjo de luz do noroeste de mãe de filhota querida; e de nicótica que não quer o "fechamento" devido, devido a situação, porque é opositora, no entanto, quando os dois homens ficaram de pé o Papa teve um alívio e a história um bom desfecho com um bem desfeito, porque a anima da que queriam que fosse elevou os animos e deixou todo mundo consciente com a janela "Johare" fechada sem os efeitos nefastos que o marreco tentou imprimir.
Foi assim que Deus reinou na acepção mais profícua de ser metafísico, presente em todos os momentos, e o diabo pode colorir, espichar, engrossar, duplicar, da forma que Deus quer, ou seja, com entusiasmo e sem medo, portanto, com eternidade e sem falhas e podendo fazê-lo "sob o olhar’ de todos os interessados.
Depois Eu conto o resto !

Continuação do relato noticioso. Parte 2

Continuação do relato noticioso. Parte 2.

Publicado por: marialbo em: 19/04/2010
Mas os dois homens já estavam com o menino grande, que estava conformado com o tamanho deles, e a mulher ( ! ) passou firme com a situação e o denotado denodo da malícia dos milicianos, pois, a psicótica descobriu o perseguidor e a cliente aceitou o pedido de desculpas sem o "escusate-me" porque a nefasta perdeu a motivação do espírito de porco, pois, a mulher, durante todo o tempo da procura, comprovou coezão no comportamento amoral comprovando o bem final de dias animados com ritmo e melodia constante e voz interior preservada por Razão lógica. Foi quando todos viram e foram vistos, ouviram e foram ouvidos, falaram e fizeram falar ficando todos iguais perante Deus pela capacidade mental de preservar os bens Legais, fazer nascer, fazer morrer, crescer, engordar, chorar, sorrir, aprender: a orar, a andar, a preservar a memória dos fatos, a deduzir, a induzir, a cruzar, a falir os processos de angustura, a colorir, a plantar, a colher, a fluir, a cantar, a dançar, a ver, a enviar mensagens telepáticas, e outras coisas usando a "távola raza" com as impressões que esta faz criar, proibindo os usos e abusos anarquistas.
E o ovinho da pata e do pato ficou choco; os dois meninos ficaram em casa com o homem e com os outros animais que ainda veem, ouvem e oram. Continuam bem porque Deus ficou presente naquilo que estavam aprontando para Ele e ficou quase mudo com a certeza de todos e o Papa "saiu voando" porque a história do povo brasileiro estava dando certo e não foi preciso repetir o passado e fazer uma tentativa baldada por ser impossível.
Foi quando a irmã ficou esperando um filho e a irmã ficou esperando outro filho, e a irmã continuou o noivado, e a irmã continuou sem inverter os fatos e confundir os "olfatos", e todos condicionaram-se ao desenvolvimento positivo da vida que querem, comprovando a lógica que perseguiram até a decorrência encadeada de todas as verdades previstas, com desfecho pacífico no tempo previsto, preservando os dotes pessoais, e espectativas menos funestas, devido a reposição do sínoduo, do lacre, e do zelo, com continuidade interpessoal com reposição da aura na calva, e com perspectiva de conotação benevola histórica, devido ao arrefecimento da animosidade e da paranóia dos míopes astigmáticos exaltados e afogados, que não foram invertidos e conseguem reverter ao bel prazer.
Foi deste modo que a queima dos santos óleos ficou esclárecida e o carpir aceito com parcimonia e esclarecimento.
Depois termino !

O Mundo encantado para um encanto de pessoa: Você!


Publicado por: marialbo em: 31/10/2010

O Universo é infinito e complicado de se aprender como funciona e mantém a Vida, fazendo crescer, multiplicar, e organizar, seres animados, e inanimados, móveis, e imóveis. Uma forma que se usa para aprenderéatribuir atudo a condição de animado escutando a própria imaginação.

Observando cada coisa e tudo em Conjunto, surgem ideias diferentes e passamos a atribui-las às coisas ou Elementos e a imaginar que cada coisa tem um Ente u algo invisível que nos faz imaginar e aprender como funciona isso ou aquilo.

Os Entes são ditos os Elementais. Existem Elementais: da Água, e do Ar, são as Ondinas, Silfos, Gufs, Galpes, Ninfas, e Fadas; da Terra, e do Fogo: são as Bruxas, Duendes, Gnomos, e Salamandras; e entre Nós e Deus: são os Arcanjos, e Anjos.

A Bruxa é o Elemental do Planeta é um Ente que realiza as forças da Natureza! Por isso comemoramos o Hallowe’en, como sendo o Dia das Bruxas, na verdade comemora-se o dia do Planeta contando-se histórias e lendas.

Hallo, when… ou, Era uma vez.. (Dicionário de Oxford)

Olá, Mundo!


Publicado por: marlobo em: 12/11/2010

Sou , e vim p’ra deixar mais bela a criação, e felizes as criaturas de todos os reinos.

Cagar de cócoras...

 

Publicado por: marialbo em: 25/12/2010
Que sugestivo! Para mim, que abomino o resultado do sistema de saneamento básico, o vídeo foi um presente de Natal. O conteúdo tem nada à ver com o que refiro, mas, mim fez saber do passado, e imaginar um futuro sem “rios” de águas sujas. Feliz Natal. Curtam, pois o Ano Novo promete…
O vídeo original foi retirado. Mas deixo outro link